Her Campus Logo Her Campus Logo
Touchstone Pictures
Culture

Opinião: #4 Produções Inspiradas Em Shakespeare Para Começar A Gostar Do Bardo

De “O Rei Leão” (1994) à “Ela É O Cara” (2006), Shakespeare está mais presente em nossas vidas do que muitos imaginam. Esses filmes são modernizações dos clássicos do autor, e podem ser uma introdução alternativa e muito divertida a Shakespeare e a seus textos. 

Dizer que William Shakespeare é um dos escritores mais famosos do mundo não é surpreendente ou inovador. Por outro lado, sua influência direta na cultura pop já é um fato menos óbvio. Ao longo dos séculos, suas obras foram dos palcos de teatro na Inglaterra para as telonas do cinema ao redor do mundo através de modernizações na forma de animações da Disney, como “O Rei Leão” (1994), e até mesmo como comédias-românticas, “10 Coisas que eu Odeio em Você” (1999) sendo um clássico exemplo.

Quando eu tinha uns seis anos, eu vi “O Rei Leão” pela primeira vez. O Mufasa não foi a primeira morte que estraçalhou meu jovem coraçãozinho, quem levou esse prêmio foi a mãe de Bambi uns dois anos antes, mas essa é outra história e estamos aqui para falar sobre adaptações de Shakespeare.

Minha escola decidiu que seria uma boa ideia fazer a leitura da obra “Muito Barulho por Nada”, de William Shakespeare, sem se aprofundar ou meramente explicar o livro. O fato da edição escolhida ter sido uma clássica, no formato de peça, também não ajudou.

Portanto, eu só entendi parte da trama apresentada na comédia. Mesmo assim, me conectei com algumas partes da obra, e os momentos engraçados provocaram risadas. Isso apenas intensificou o meu sentimento de frustração por não conseguir compreender todo o enredo.

Mais de uma década depois, eu continuo questionando o propósito de dar esse tipo de livro - que por si só já é difícil de entender - para jovens sem o intuito de aprofundar e explicar a história. Levou um tempo para eu voltar a me interessar pelo autor e, mais tempo ainda, para descobrir que o que eu estava consumindo era, na verdade, Shakespeare.

O autor ficou conhecido como “O Bardo”. Essa figura era a pessoa que cantava sobre os atos heroicos e sobre a história das famílias reais. Antigamente, esses conhecimentos não eram escritos, mas passados oralmente de pessoa para pessoa. Os bardos usavam métrica, rima para facilitar a memorização dessas informações. Então, Shakespeare é chamado assim pois é considerado um dos maiores poetas. Apesar disso, convenhamos, não é um dos mais acessíveis.

Por isso, apesar do fato de seus enredos serem interessantes e divertidos (mesmo nas tragédias), algumas pessoas - eu inclusa - se sentem intimidadas demais para começar a lê-lo. Então, se você, assim como eu, tentou ler Hamlet no formato de peça e teve muita dificuldade de entender, mas ainda gostaria de aproveitar as histórias do Shakespeare, aqui vai uma lista de adaptações modernas que te permitem desfrutar os contos do Bardo de uma forma diferente e, quem sabe, te instigar a se aventurar com um dos livros!

O Rei Leão (1994)

Sim, o tão amado clássico da Disney reflete o enredo de uma das peças mais famosas de Shakespeare. Assim como Simba, o príncipe Dinamarquês, Hamlet, tem que vingar a morte de seu pai causada pelo seu tio, Cláudio e recuperar o reino. Então, se você curte a animação, é possível que também goste da obra que a inspirou!

10 Coisas Que Eu Odeio Em Você (1999)
https://www.youtube.com/watch?v=S7N6kB11GpE

O filme de 1999 é baseado na peça de Shakespeare “A Megera Domada”, que aborda temas como o casamento e a “guerra dos sexos”. A comédia-romântica transporta a trama da peça da Itália, durante a Renascença, para o Colégio Pádua, em Seattle, Estados Unidos, no final do milênio.

No longa, o pai controlador de Bianca (Larisa Oleynik) e sua irmã mais velha, Katherine (Julia Stiles), coloca uma condição sobre as duas: Bianca só pode começar a namorar se Katherine estiver namorando.

A Megera Domada é uma peça muito criticada por seu tom misógino, e a decisão de adaptar essa obra de Shakespeare para o mundo da comédia-romântica poderia ter resultado em apenas outro romance adolescente com mensagens bem machistas. Porém, “10 Coisas Que Eu Odeio Em Você” não nos submete a isso. Ao contrário, nossa protagonista Kat acabou virando um ícone feminista ao longo dos anos.

Ela comete erros, e não está certa toda hora, mas Kat é a representação perfeita da “personagem feminina forte”, exatamente porque não é perfeita. Ela é forte porque se permite ser vulnerável.

Além disso, o longa não tem medo de abordar questões mais complexas. Trata-se de uma divertida reimaginação da peça num contexto de drama adolescente, que trabalha temas como feminismo, virgindade, identidade e masculinidade tóxica.

E se isso não é o suficiente, a trilha sonora é icônica. O filme ainda nos presenteia com uma cena musical na qual o maravilhoso Heath Ledger, interpretando o encantador Patrick, dubla e dança “Can’t Take My Eyes Off Of You”, de Frankie Valli, no meio de um campo de futebol. 

Ela É O Cara (2006)

Nessa comédia, Amanda Bynes, ícone adolescente dos anos 2000, interpreta a protagonista Viola. Depois que o time de futebol foi cancelado em sua escola, ela se matricula no colégio particular Illyria, disfarçada como o seu irmão gêmeo, Sebastian (James Kirk), para poder participar do campeonato no time masculino.

A série de desentendimentos pela troca de identidade rolam soltos: Viola se apaixona por Duke, interpretado por Channing Tatum, seu colega de quarto, enquanto Duke está apaixonado por Olivia (Laura Ramsey), a garota que acaba se interessando por Viola, achando que ela é seu irmão Sebastian. Se não fosse 2006, talvez o filme tivesse tido coragem para concretizar esse casal gay, mas infelizmente não rolou.

O filme é uma adaptação da peça do “Bardo Noite de Reis”, que tem o enredo muito próximo do longa, incluindo o triângulo amoroso principal. Nela, os gêmeos Viola e Sebastian são separados por um acidente de barco. Viola ama o Duque Orsino, que está interessado na Condessa Olivia, que se apaixona por Viola, assim como Sebastian.

O longa é uma divertida adaptação de Shakespeare e um bom lugar para começar, caso você se interesse em conhecer mais do Bardo.

Arden (Podcast)

Finalmente, essa última recomendação é para quem quer treinar o inglês. Neste podcast ficcional, Shakespeare ganha uma cara bem diferente dos filmes teen.

O áudio drama norte-americano é uma mescla de gênero, abordando tópicos crimes reais e comédia, na qual os casos investigados são baseados nas peças de Shakespeare. Nele, seguimos a jornalista Bea Caseley e a sua parceira, a ex-policial, que atualmente é detetive particular, Brenda Bentley, na tentativa de desvendar os mistérios a cada temporada.

Na primeira, somos introduzidos ao caso de Julie Capsom. A jovem atriz de Hollywood que desapareceu misteriosamente em uma noite, há alguns anos atrás. Um dos suspeitos principais é o seu namorado, Ralph Montgomery.

Nessa primeira trama do podcast, temos uma reimaginação extremamente criativa, inteligente e divertida da obra mais famosa de Shakespeare, Romeu e Julieta. O podcast também consegue trazer temas atuais para a adaptação, principalmente na onda do movimento #MeToo.

Já na segunda temporada, Dana Hamill pede ajuda do duo para investigar a morte de seu pai, um fazendeiro rico. Depois da morte dele, a mãe de Dana casou com o seu tio, irmão de seu pai, e estão tentando vender a fazenda. Nessa modernização de Hamlet, o podcast trabalha assuntos muito complexos como saúde mental, vício, identidade de gênero e muito mais.

O podcast conta com protagonistas diversos: Bea é bissexual, Brenda é filha de imigrantes e lésbica, Hamlet vira Dana, uma mulher sofrendo com sua saúde mental, e nossa Ofélia é uma mulher trans.

Para quem curte podcasts, um bom mistério e protagonistas femininas super complexas, que fazem você se apaixonar no momento em que escuta a voz delas, Arden é o podcast para você!

Você pode escutá-lo aqui!

----------------------------------------------------------------------

The article above was edited by Carolina Grassmann.

Liked this type of content? Check Her Campus Casper Libero home page for more!

Letícia Rodrigues is studying Journalism at Faculdade Cásper Líbero. She loves podcasts, mystery TV-shows, coffee-flavored ice-cream, and overanalyzing media. To see pictures of her cats, follow her on Instagram.
Similar Reads👯‍♀️