It - A Coisa: Comparando o novo filme com o clássico de 1990

It - A Coisa estreou nos cinemas no último dia 7 de setembro e já chegou batendo recordes como “melhor estreia de um filme de terror” e “melhor bilheteria do mês de setembro da história”. Porém ele não é nenhuma novidade: baseado no livro do Stephen King, essa é a segunda adaptação da história.

A primeira versão de IT foi em 1990 com IT - Uma Obra Prima do Medo, do diretor Tommy Lee Wallace, porém este era uma “telefilme”, ou seja, foi feito para passar na televisão. Dividido em duas partes, soma um total de 3 horas e 7 minutos. Pode parecer muito, mas passa rápido!

Fonte: Adoro Cinema

Para quem já assistiu ao novo filme, as diferenças chamam muita a atenção, mas, caso você não queira spoilers da história é melhor não assistir o dos anos 90. Uma das divergências é que o presente do antigo se passa com o “Grupo dos Perdedores” já adultos, depois de terem feito a promessa de voltarem, caso a Coisa aparecesse novamente. Todas as partes das crianças são em flashback e tem um enfoque bem menor do que o que foi dado pelo filme atual. Como se trata de uma minisérie para a televisão, o orçamento não foi de um blockbuster e isso fica claro com os efeitos ruins, mesmo para a época. O tempo todo parece que você está vendo uma produção que foi gravada sem dinheiro, mas é algo que não compromete o desenrolar da trama.

O roteiro está cheio de frases de efeitos e momentos piegas que, ao mesmo tempo, mostram uma violência doméstica e piadas que, hoje, estão bem fora do que seria socialmente aceitável. No começo parece ser mais uma narrativa que já estamos acostumados a ver, com o mesmo arco de sempre, um grupo de amigos que juntos fazem o bem superar o mal. Contudo,diferente do que pensamos, não é o que acontece necessariamente. Não quero dar spoilers, mas o destino de alguns personagens me surpreendeu. Como o foco dos dois filmes é bem diferente, fica difícil fazer uma comparação justa entre os dois, deixando de lado também a “diferença de idade” entre os dois. Entretanto, você já deve ter ouvido sobre Uma Obra Prima do Medo antes, não é? Se ele segue na linha trash, por que ele ficou tão famoso e entrou para o hall de filmes cult? O motivo é, justamente, o mais importante da história e que ainda não foi abordado. Que chamou a atenção há 27 anos atrás e, até hoje, é cultuado: o palhaço Pennywise.

Fonte: Adoro Cinema

A nova adaptação trouxe uma interpretação memorável do ator sueco Bill Skarsgård, somado a recursos de efeitos especiais de elite que beiram o exagero. Já em IT - Uma Obra Prima do Medo o palhaço foi interpretado pelo ator Tim Curry, algo que impressiona, porque Curry está em outro filme que, quase sempre, aparece no top 5 cults, Rocky Horror Picture Show, um clássico dos musicais. Em 1975, antes de Pennywise, o ator interpretou “uma doce travesti da transexual transylvania”, deixando seu nome eternamente atrelado ao Dr. Frank-n-Further. 

Sem efeitos rebuscados, apenas com o olhar e modulação de voz, não tem como não se assustar com o palhaço assassino de Tim Curry. Diferentemente do novo, o antigo aparece mais vezes, com mais cenas externas que incomodam, como quando um dos personagens vê Pennywise rindo e acenando com seus balões na beira da estrada. É perturbador!

Para os amantes de cinema e, principalmente, filmes de terror, IT - Uma Obra Prima do Medo é obrigatório. Ele está disponível no iTunes, com opções de aluguel e compra digital.

Edição: Letícia Giollo