Her Campus Logo Her Campus Logo
Culture

A Importância Do Dia 21 De Março Na Luta Antirracista

Em 21 de março de 1960, em Joanesburgo, na África do Sul, um protesto contra a Lei do Passe foi realizado, lei esta que obrigava a população negra a portar um cartão com os locais permitidos para circulação. Porém, mesmo tratando-se de uma manifestação pacífica, a polícia do regime de apartheid abriu fogo sobre a multidão desarmada, resultando em 69 mortos e 186 feridos. Diante do fato, a ONU (Organização das Nações Unidas) instituiu, em memória ao ocorrido e às vítimas, o dia 21 de março como o Dia Internacional Contra a Discriminação Racial.

“A carne mais barata do mercado é a carne negra (…)

– Só cego não vê

Que vai de graça pro presídio

E para debaixo do plástico

E vai de graça pro subemprego

E pros hospitais psiquiátricos.”

A canção “A Carne” de Elza Soares, cantora e compositora, dá voz e visibilidade à luta que a população negra enfrenta diariamente, não só no Brasil, como também no mundo.

Andando ao lado da discriminação, quase como uma fiel companheira, a desigualdade social se faz presente no cenário racista do país. Segundo dados do Ministério da Saúde, aproximadamente 80% da população completamente dependente do SUS é negra. Estudos e estatísticas também apontam como o grupo mais vulnerável às doenças, pois está sob maior influência dos determinantes sociais de saúde, como as condições em que vive e trabalha, a insalubridade e as baixas condições sanitárias, sendo a desigualdade o palco para a situação.

Os campos onde a discriminação atua são muitos. Dentre eles, o mais evidente é o mercado de trabalho, onde, em média, 56,6% dos negros ganham menos que os brancos e, para mulheres, a situação é ainda pior, sendo o salário de mulheres negras apenas 44% de homens brancos, exercendo a mesma função, segundo dados de uma pesquisa feita pelo coletivo Africasper da Faculdade Cásper Líbero.

Apesar de algumas medidas serem tomadas atualmente para o combate à desigualdade e ao racismo, comportamentos e falas racistas continuam recorrentes, até mesmo por pessoas dentro do poder público e fora do nosso cotidiano, como no discurso do presidente Jair Bolsonaro para o Estadão, em 2018. Ele afirma: Eu não entraria em um avião pilotado por um cotista nem aceitaria ser operado por um médico cotista”. Bolsonaro e seus filhos também dedicam grande parte do seu tempo para fazer campanha contra as cotas raciais.

Visando exemplos de resistência e luta, a Her Campus buscou histórias reais contadas por pessoas reais, como a de Gabriele Cordeiro Almeida Santos, de 19 anos. Nascida na Bahia, mas criada em São Paulo, ela conta: “Desde pequena meu pai sempre trabalhou comigo a questão de eu ser uma mulher negra. Ele continuamente ressalta que eu preciso lutar duas vezes, uma por ser mulher, e a outra por ser negra.” Ela acrescenta: “Apesar do meu pai sempre trabalhar isso em mim, não foi sempre que eu tive essa consciência. Eu alisava o cabelo quando eu era pequena, o que apaga boa parte da minha identidade. Aliás, eu creio que só comecei a me enxergar de fato como uma mulher negra quando eu assumi o meu cabelo, o que não foi só uma transição capilar, foi uma transição de identidade.

“Eu preciso lutar duas vezes, uma por ser mulher e a outra por ser negra.”

Foto por: Gabriel Santos.

Sobre sua luta no âmbito profissional e pessoal, ela diz: “Esse ano eu tranquei a faculdade de fisioterapia pra viver o meu sonho, que é a fotografia. Foi um choque de realidade pra mim, porque, como eu disse, meu pai me alerta sempre sobre minhas ‘duas lutas’, quando eu tranquei o curso, pensei que não seria ninguém, que seria apagada da sociedade. Agora, me vejo nessa luta de conseguir reconhecimento e voltar a estudar. O racismo interfere muito em coisas indiretas, ele é estrutural!”.

Neste 21 de março, tenhamos consciência de nossos atos e privilégios, para não continuar a reproduzir comportamentos discriminatórios, que reforçam o preconceito racial enraizado no mundo todo.

———————————————————–

Esse artigo foi editado por Larissa Cassano.

Gostou desse tipo de conteúdo? Confira a home page da Her Campus Casper Libero para mais!

Sophye Fiori

Casper Libero '24

Graduate student of journalism at Cásper Líbero college. Since always looking for stories to be told.
Similar Reads👯‍♀️