Her Campus Logo Her Campus Logo
News

Entenda o Calor Extremo em São Paulo

Durante o mês de setembro e o começo de outubro, São Paulo bateu recordes de calor, alcançando a segunda maior temperatura da história da cidade, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Esse sufocante calor não foi exclusivo da capital paulista, todo o Sudeste e Centro-Oeste brasileiro também registrou altas temperaturas. De acordo com dados do Centro de Emergências Climáticas da Prefeitura de São Paulo, a metrópole tem tido bem menos dias de frio do que há 15 anos e ondas de calor têm se tornado cada vez mais frequentes em épocas que deveriam apresentar temperaturas mais baixas. Mas por que isso está acontecendo?

O principal motivo da elevação da temperatura neste início de primavera é o bloqueio atmosférico, que é quando ventos fortes nas camadas mais altas da atmosfera impedem que frentes frias vindas do sul do país atinjam o Sudeste e o Centro-Oeste. O bloqueio atmosférico impossibilita a chegada de umidade, gerando uma persistência de massa de ar seco sobre essas regiões.

“A temperatura possui uma relação inversa com a umidade relativa do ar, ou seja, quanto maior a temperatura menor é a umidade relativa do ar. No começo do mês, foram registrados índices de umidade relativa do ar inferiores a 15% em vários municípios do Centro-Oeste e Sudeste, além de pontos do interior do Nordeste e sul da Região Norte. Os valores ideais de umidade relativa do ar oscilam próximos a 60%”, explica Diogo Arsego do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (CPTEC/INPE). Essas mudanças nos padrões de tempo, na temperatura e na quantidade de chuvas, favoreceu a propagação de queimadas. 

O fogo no Pantanal em 2020 destruiu 23% do bioma, até o dia 27 de setembro. Em comparação com o ano passado, o aumento na atual temporada de queimadas foi de 122%, segundo dados publicados pelo G1. Além das queimadas ilegais que ocorrem na região amazônica e no Pantanal, outro motivo que agravou o fogo foi o histórico período de seca que o Brasil está passando. “No último verão, as chuvas não foram tão regulares na maior parto do Centro-Sul do país e, por estarmos também no período seco, isso acabou contribuindo para tornar o caso ainda mais anômalo”, relata Diogo.

A fumaça das queimadas atingiu São Paulo, fazendo com que a cidade passasse por dias de poluição acima da média. Segundo o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), a camada de poluição sobre a metrópole nessa época do ano costuma se estender até uma altitude de 1.500 metros, mas nas últimas semanas, esse número dobrou. A capital paulista já é suscetível a atingir altas temperaturas, pois apresenta o fenômeno das ilhas de calor, devido à expansão urbana. Além disso, não tiveram muitas chuvas na cidade da garoa, choveu apenas 20% da média para essa época, de acordo com o Centro de Emergências Climáticas. Todos esses fatores fizeram com que a metrópole vivenciasse calores extremos. 

“Com o período de tempo seco e temperaturas elevadas, além da maior facilidade para propagação de queimadas, há uma maior necessidade de cuidados com a saúde, já que os problemas respiratórios tornam-se mais frequentes”, informa Diogo. Além disso, é importante tomar cuidado para que os animais domésticos não sofram com o calor: eles precisam de água fresca, ambientes ventilados e maior atenção ao passear para não queimarem as patas.

De acordo com o Inmet, o bloqueio atmosférico estava previsto para passar por volta dos dias 12 e 13 de outubro, mas ainda serão registradas temperaturas altas após essas datas. No entanto, isso não significa que o verão terá o mesmo calor extremo, pois, até o início da estação, o bloqueio atmosférico já terá se desfeito.

———————————————————————

The article above was edited by Vivian Souza.

Liked this type of content? Check Her Campus Casper Libero home page for more!

 
Amanda Moraes

Casper Libero '23

majoring in journalism
Similar Reads👯‍♀️