Coringa: Uma Nova Era dos Filmes de Super Herói?

Um dos filmes mais aguardados de 2019 estreia em um momento no qual os vilões têm tido mais voz para contar suas histórias e parecem ser mais valorizados dentro dos filmes de super-heróis. Em cartaz nos cinemas desde o dia 03 de Outubro, Coringa, dirigido por Todd Phillips (Se Beber Não Case) e interpretado por Joaquin Phoenix (Gladiador e Hotel Ruanda), lidera o ranking de bilheteria logo no final de semana de estreia. 

O filme está ambientado na fictícia Gotham City dos anos 80, assolada pela violência, pobreza e mergulhada no completo caos. Ele narra o surgimento do Coringa, começando como Arthur Fleck, um homem com problemas mentais que ganha a vida trabalhando como palhaço, e culminando na origem de um dos vilões mais icônicos de todos os tempos. 

O personagem se torna mais complexo com o passar do filme. No início somos apresentados a um Arthur inseguro, um pouco ingênuo e digno de pena, dando vontade de acolhê-lo em meio a tantos acontecimentos ruins. Mas logo nos deparamos com um homem imprevisível, caótico, capaz de cometer atrocidades e ainda se orgulhar delas, em uma espécie de êxtase macabra. 

Joaquin Phoenix herdou o legado que Heath Ledger deixou ao interpretar o Coringa em Batman: Cavaleiro das Trevas, com o diferencial de que, dessa vez, seria um filme inteiro sobre o vilão. Enquanto Ledger performou um Coringa carismático, Phoenix é responsável por dar vida a um Coringa assustador, sombrio e medonho. Um vilão que consegue ser poderoso sem quaisquer superpoderes ou roupas especiais, apenas mostrando com uma crueldade incômoda e o quanto o homem pode ser perigoso quando não tem mais nada a perder. 

Phoenix pôde mostrar toda a extensão do seu talento e deu uma aula de atuação nesse filme, se tornando, sem sombra de dúvidas, um dos favoritos para o Oscar. O ator emagreceu 23 kg para protagonizar o vilão e conseguiu, com maestria, nos trazer desconforto e angústia, principalmente ao performar a risada fora de controle característica do personagem, presente em momentos inoportunos e completamente fora de hora. 

O filme de Todd Phillips é responsável por trazer uma atmosfera diferente aos filmes de super-heróis, mais adulta e sem prezar tanto os efeitos especiais exagerados e o humor, apesar de ter alguns momentos que, de tão bizarros, chegam a ser um pouco cômicos. Coringa pode até se inspirar um pouco na HQ “Piada Mortal”, mas fica claro que suas principais referências vêm dos filmes de Martin Scorsese: Taxi Driver e O Rei da Comédia. A fotografia aqui também é característica: adotando tons mais frios, voltados para o azul e o verde para remeter ao universo sombrio do filme.

Apesar de ter vencido o Leão de Ouro no Festival de Veneza, Coringa estava envolvido em polêmicas antes mesmo de estrear nos cinemas, com críticos afirmando ser um filme tóxico, irresponsável e perigoso. No entanto, apesar de ser um filme violento e mostrar uma falha da sociedade com relação ao personagem principal (através de episódios de agressão e falta de atenção com suas doenças mentais, por exemplo), ele está longe de justificar todas as maldades cometidas pelo vilão ou caracterizá-las como consequências “normais”. 

Apesar de toda a polêmica envolvendo o mais novo filme da DC, Coringa vem para dar início a uma nova era nos filmes de super-heróis. O sucesso é garantido, mas se prepare para uma sessão de cinema tensa e perturbadora, exatamente como o filme.

 

Resultado de imagem para joker joaquin phoenix gif