Conheça a Trajetória de Marta, a Melhor Jogadora Do Mundo

Tudo começou em uma pequena cidade de Alagoas, chamada Dois Riachos. Desde pequena, Marta jogava bola, descalça, com primos e amigos em pequenos pedaços de terra batida. Sendo a única menina da família e da região que gostava de jogar bola, enfrentou, desde cedo, muito preconceito. Destemida e inspirada por sua mãe, ela nunca se deixou abalar. Absorvia cada comentário e os usava como forma de motivação.

Foto: Instagram/@martavsilva10

Ao perceber seu talento, o viu como uma forma de ajudar financeiramente sua família, e quando se deparou com uma oportunidade, mergulhou de cabeça. Foi um dos primos da futebolista que conseguiu um teste para ela. Sozinha, com apenas 14 anos de idade, Marta embarcou em um ônibus para o Rio de Janeiro, onde faria uma seletiva para a base do Vasco Da Gama. Chegando na cidade grande, preferiu se manter calada. Tinha medo de ser zoada pelo sotaque, e então deixava o futebol falar por ela. Defendeu o time por três anos, até ser emprestada ao Santa Cruz-MG, por duas temporadas. Apesar de ganhar apenas uma ajuda de custo mínima, ela não desistiu, e seguiu correndo atrás de seu sonho.

Só quatro anos depois, em 2004, que a canhota despontou para o mundo. Foi contratada pelo Umeå IK, um time da Suécia, país onde o futebol feminino é bastante valorizado, principalmente em comparação ao Brasil. Neste time, Marta viveu o melhor momento de sua carreira: conquistou a Liga dos Campeões da UEFA (2003-2004), foi tetracampeã sueca (2005, 2006, 2007 e 2008), conquistou uma Copa da Suécia (2007) e uma Super Copa da Suécia (2003-2004). Além disso, teve seu merecimento individual nesse período: foi eleita a melhor jogadora do mundo pela FIFA, em 2006, 2007 e 2008.

Em janeiro de 2009, na cerimônia dos melhores do ano anterior, além do prêmio, foi anunciada sua transferência para o Los Angeles Sol dos Estados Unidos, em que a atacante, junto a sua equipe, venceu a liga nacional. Logo depois foi contratada, por um empréstimo de três meses, pelo Santos, disputou e venceu a Copa Libertadores Feminina, a Copa do Brasil e retornou ao time estadunidense. No mesmo ano, Marta foi eleita a melhor do mundo pela quarta vez.

Após o encerramento das atividades do Los Angeles Sol, o FC Gold Pride aproveitou o draft que Marta estava fazendo parte e a escolheu para reforçar sua equipe. Na temporada de 2010, foi pela segunda vez consecutiva artilheira da liga e levou seu time ao título. E adivinhem? A rainha também foi eleita a melhor jogadora do mundo novamente, sendo a quinta vez consecutiva.

Em 2011, foi anunciada como novo reforço do Western New York Flash e levou o título da Liga de Futebol Feminino dos Estados Unidos. Mais uma vez foi emprestada ao Santos e no ano seguinte partiu para o Tyresö FF, que foi campeão sueco em 2012 e vice-campeão europeu na temporada 2013-2014. Depois disso, ficou até 2017 em outro time sueco, o FC Rosengård, e foi bicampeã da Liga da Suécia de Futebol Feminino em 2014 e 2015, além de acabar com o vice-campeonato em 2016.

Atualmente, com 32 anos, Marta joga no Orlando Pride, segue com uma atuação maravilhosa e conquistando títulos com sua equipe. Sem contar que, surpreendentemente, depois de oito anos, foi eleita novamente, a melhor do mundo em 2018, tornando-se a maior recordista da FIFA a ganhar prêmios individuais (nenhum outro homem chegou nesse número ainda!). A futebolista também é a primeira mulher a estar na calçada da fama do Maracanã e, junto com Formiga, integra a Sala Anjos Barrocos do Museu do Futebol, que até então era exclusiva de jogadores homens. Fatos que quebraram muitos tabus e são importantíssimos para a luta feminina.

Foto: Instagram/@martavsilva10

São tantos títulos (6 vezes a melhor do mundo, né?!), artilharias, campanhas de destaques, honrarias e prêmios, que fica difícil falar sobre tudo. Mas é impossível deixar de citar a atuação de Marta na Seleção Brasileira, que vem dando show desde meados de 2003.

Marta foi bicampeã pan-americana em 2003 e 2007 e foi medalha de prata nos Jogos Olímpicos de 2004 e 2008. Em 27 de setembro de 2007, durante a partida de semifinal na Copa do Mundo de Futebol Feminino de 2007, realizada na China contra os EUA, marcou o gol mais bonito da competição e, para alguns, o gol mais bonito marcado durante toda a existência deste torneio. O Brasil ficou em 2º lugar e Marta foi escolhida a melhor jogadora da Copa, recebendo o prêmio Bola de Ouro, e também foi a artilheira da competição com 7 gols.

Em 2015, Marta se tornou a maior artilheira da história da Copa do Mundo de futebol feminino, com 15 gols, mesmo ano em que se tornou a maior artilheira da seleção brasileira completando 117 gols e superando Pelé, que tem 95 gols marcados com a camisa da seleção.

A maior jogadora de futebol do mundo é do Brasil e, no decorrer do mês, teremos a oportunidade de vê-la jogando com a camisa da seleção mais uma vez na Copa do Mundo FIFA de Futebol Feminino, junto a todo o elenco incrível escalado para a competição. Não deixe de prestigiar nossas meninas!