Conheça Ayla Tesler-Mabe: Uma das Principais Artistas Canadenses em Ascensão

Ayla Tesler-Mabe é uma artista canadense de 19 anos que costumava integrar, ao lado de Finn Wolfhard (o Mike, de Stranger Things), Malcolm Craig e Jack Anderson, a banda indie Calpurnia - que teve seu fim anunciado em novembro de 2019. Ela inicia agora uma nova etapa de sua vida: Ayla está em um novo grupo chamado Ludic que tem tudo para ser um grande sucesso.

A musicista está descobrindo novos gêneros e quer seguir fazendo música por paixão. Além desses projetos, a artista possui um canal no YouTube com milhões de visualizações onde posta, frequentemente, covers de suas canções preferidas junto de uma parceria de peso com a empresa Fender, a qual é mundialmente conhecida pela qualidade de seus instrumentos musicais.

Desde pequena, Ayla sempre teve muito contato com músicas antigas e é uma grande fã dos Beatles. A jovem toca os mais diversos tipos de instrumentos musicais, como baixo e violoncelo, além de ter uma voz bastante marcante. 

Em uma entrevista exclusiva para a Her Campus Cásper Líbero, Ayla conta mais sobre sua carreira, dificuldades e preconceitos que sofreu no mundo do entretenimento, além de falar um pouco de seus planos futuros. 

Abaixo, confira o bate-papo na íntegra. 

  1. 1. Desde pequena você sempre esteve envolvida com a música. Conte mais sobre sua história! O que ou quem a trouxe para o mundo musical?

    Eu sempre amei escutar música. Em casa sempre estava tocando músicas latinas maravilhosas, músicas clássicas, The Beatles. Porém, acho que a primeira vez que eu escutei The Beatles sabendo que eram eles mudou tudo para mim. Eu já tinha escutado muitas vezes aquelas músicas antes, mas um dia quando estávamos no carro provavelmente minha mãe me disse “Isso é Beatles”, e aí nós começamos a escutar e eu simplesmente me apaixonei por eles. Eu, de certa forma, só sabia que queria ser uma musicista quando escutei a música deles, mesmo sem saber tocar nenhum instrumento naquela época. Eu tocava mais ou menos o violoncelo na escola e comecei a virá-lo de um lado para o outro como se fosse um baixo. Desde então, sabia que deveria começar a tocar baixo, foi um sinal!

  2. 2. Quais instrumentos você toca, além do violoncelo e do baixo?

    Depende o que você define como tocar um instrumento, eu sinto que tem vários instrumentos que eu posso sentar e tentar descobrir como tocar algo neles. Às vezes estou no estúdio e começo a descobrir como fazer alguns sons sozinha, mas não diria que sou boa o suficiente para fazer shows com esses instrumentos. Guitarra é meu instrumento principal e o baixo também, no qual me sinto muito confortável. Na bateria não sou terrível, eu poderia tocar até tocar um show, mas acredito que teria milhares bateristas só na minha cidade que você gostaria de contratar no meu lugar! Cantar é outra faceta da música que me sinto mais confortável do que no piano, por exemplo.

  3. 3. Com qual artista você mais se identifica e gostaria de trabalhar? 

    Essa é difícil! Minha resposta seria que eu quero trabalhar com todo mundo e eu me inspiro em tantas pessoas, eu tenho um espaço especial no meu coração para música antiga, especialmente para as dos anos 60 e 70, que é de onde as minhas músicas favoritas vêm. Jimi Hendrix, The Beatles, Stevie Wonder estão no topo da lista de pessoas que eu adoraria trabalhar. Alguém como Paul McCartney. Em um mundo perfeito, eu também gostaria de trabalhar com alguém como Brittany Howard, Tame Impala. Herbie Hancock e Miles Davis provavelmente me odiariam, mas seria um sonho.

  4. 4. Como é ser uma jovem mulher na indústria da música? 

    Eu acredito que, apesar de tudo, sou muito sortuda porque praticamente todo mundo que eu trabalhei me considera um ser humano em primeiro lugar. Eles olham a minha música antes do fato de eu ser uma mulher. Algo que está na minha mente por um longo tempo é que se eu sentar e tocar a guitarra, as pessoas terão uma noção preconcebida do tipo de música que eu irei tocar ou da minha habilidade. Então, a minha solução foi trabalhar tão duro e me tornar tão experiente em música que ninguém poderá duvidar. Eu tive um problema em uma aula online uma vez. Eu estava usando uma jaqueta, a roupa mais conservadora possível, não que a roupa que você usa seja um convite. Então, eu estava dando uma aula e recebi vários comentários que eram muito inapropriados. Não é justo com o tanto que eu trabalho e eu sinto que eu mereço ser tratada com o mesmo respeito que qualquer um tocando música teria.

  5. 5. A banda Calpurnia chegou ao fim em 2019. Vocês fizeram shows, um EP, videoclipes e tinham muitos fãs. O que tudo isso significou para você?

    Foi uma experiência que nunca esquecerei. Foi algo incrível para mim, que sempre sonhei em ser uma musicista, estar em uma situação onde estava realizando minha primeira turnê, meu primeiro contrato de gravadora, minhas primeiras músicas gravadas em estúdio. Sou muito sortuda e agradecida por todas as pessoas incríveis que pude conhecer através disso. O mais importante é ver o impacto que isso teve nas pessoas. Algumas fãs me contaram que se tornaram amigas nos shows da Calpurnia e a melhor parte dessa experiência é ver como aproximou as pessoas.

    Ouça a música “Waves” da banda Calpurnia, escrita por Ayla!

  6. 6. Agora você é integrante de uma nova banda chamada Ludic, junto aos irmãos Max e Rhett Cunningham. Teremos alguma música com você sendo a vocalista principal?

    O legal da Ludic é que não é sou eu cantando, Max canta também e eu sempre amei a ideia de uma banda que não tem realmente um vocalista principal, é somente pessoas cantando. Quem estiver na banda e quiser cantar, só cante.

    Conheça mais sobre a Ludic.

  7. 7. E, para finalizar, quais são seus planos para o futuro?

    Eu quero continuar escrevendo o máximo possível, ver o que posso fazer com as redes sociais agora, continuar dando aulas e ver quais oportunidades surgem ao longo do tempo. 

  8. 8. BÔNUS!

    E você acha que acabou por aí? Que nada! 

    A Bruna Parrado, repórter da Her Campus Cásper Líbero, também produziu um vídeo inédito conversando com a Ayla!

    Se quer saber um pouco mais sobre a vida dessa estrela de 19 anos, é só dar o play! 

    Redes socias da Ayla Tesler-Mabe:

    Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCqY9L3NQInsCY7pJHTVOHlA

    Instagram: @aylateslermabe

-------------------------------------------------------------------------------------------------

A matéria acima foi editada por Laura Ferrazzano e Carolina Grassmann

Gosta desse tipo de conteúdo? Confira a Her Campus Cásper Líbero!