Her Campus Logo Her Campus Logo
Culture

Bandas Psicodélicas: As Melhores De Todos Os Tempos

De início, é preciso entender o que seria a música psicodélica. Em termos gerais, seria uma considerável gama de estilos e gêneros musicais populares influenciados pela psicodelia dos anos 1960, uma subcultura de pessoas que usavam drogas psicadélicas, como LSD, para experimentar alucinações visuais e auditivas, e ainda, estados alterados de consciência. Importante mencionar que esse tipo de estilo musical também poderia aprimorar o uso dessas drogas.

Em sua história, podemos ter como princípio a Inglaterra dos anos 1965, quando a banda Pink Floyd começou a lançar músicas fora da normalidade de seus ouvintes, na quais tratavam de temas geralmente retirados de contos de fadas, astronomia e fantasia. Essas composições também ficaram marcadas por possuírem letras unidas a melodias complexas e instrumentais diferentes com vários efeitos e instrumentos incomuns. Conforme mais canções eram lançadas mais esse estilo diferente se concretizou, sendo assim, batizado do modo que conhecemos hoje.

A banda Pink Floyd, formada em meados dos anos 1960, será o primeiro exemplo para apresentar o incrível mundo das bandas psicodélicas. O primeiro álbum lançado foi “A Piper at the Gates At Dawn”, no ano de 67. O som da Pink Floyd não tinha nada de blues e soul como as outras bandas, possuindo o mais ’psicodélico’ que alguém já havia chegado. Na saga de relançamentos após o sucesso ele ficou em nono lugar nas paradas britânicas.

Nos anos seguintes muitos outros álbuns foram lançados, porém outro grande sucesso viria em 1973, “The Dark Side of The Moon”. O disco  é considerado um dos mais importantes e influentes álbuns do Pink Floyd. Uma revolução que contém 10 faixas interligadas, sem começo, meio e fim. A banda criou um dos melhores álbuns de todos os tempos, uma obra inovadora, que não só define a banda, como o gênero e a geração. 

Como um segundo exemplo, é relevante citar uma banda que surgiu quase paralelamente com a mencionada anteriormente, porém, aqui no Brasil. Os Mutantes, formado por Rita Lee, Arnaldo Baptista e Sérgio Dias, misturava um som anárquico e psicodélico, com música erudita, samba e distorções na guitarra. 

Em 1966, o grupo passou a aparecer em programas populares. Foi assim que receberam um convite para contribuir no arranjo de uma canção de Gilberto Gil para o Festival da TV Record. O evento abriu as portas para o primeiro compacto, “O Relógio” de 1967, e a participação do disco-manifesto ”Tropicália” ou”Panis et Circensis’’, do ano seguinte. A banda lançou grandes sucessos ao longo dos anos, como o clássico “Mutantes e Seus Cometas no País do Baurets” que confirmou ainda mais a genialidade de seus integrantes como o grande tom de psicodelia, basta analisar a capa desse álbum para que o assunto fique explícito.

Seguindo, outro grande sucesso nacional precisa ser citado, menciono também o enorme estouro Secos e Molhados, de 1971. Eles certamente viriam para chocar. A começar pela voz do integrante Ney Matogrosso, que confundia as pessoas pela sua androgenía e pelas suas apresentações cheias de requebrado e pouca roupa. Além disso, eles se apresentavam de caras pintadas, dançando e fazendo diversas referências ao folclore português e brasileiro. 

O disco de estreia, que contém o mesmo nome da banda contém uma capa que na época também chocava as pessoas, expondo as cabeças dos integrantes expostas em bandejas e servidas em uma mesa cheias de pães, linguiças, vinho, cebola e feijão, e fazia um contraponto com as melodias suaves e cheias de poesia que ele trazia. Suas letras e seus poemas garantem a riqueza lírica do trabalho e fizeram com que o disco, em uma época de controle e censura, conseguisse ser criativo, crítico e experimental.

Passando para os anos 2000, mais especificamente em 2005 na cidade de Nova York surgiu a dupla MGMT, que mistura rock psicodélico com Indie e música eletrônica. 

A banda lançou o primeiro álbum no ano de 2007, intitulado “Oracular Spetacular” e conseguiu grandes avaliações críticas. O álbum fez ouro na Inglaterra e nos EUA, e ainda, entrou na oitava posição nas paradas britânicas. Além de tudo, ainda ganhou título de álbum do ano pela NME (New Musical Express). O single “Kids” conquistou Platina nos EUA, e se tornou o maior sucesso da banda. Outros sucessos foram “Electric Feel”  e “Time to Pretend”.

No mesmo período surgiu, dessa vez na Austrália, uma das maiores bandas da atualidade, Tame Impala. Segundo seu líder Kevin Parker, pra quem curte banda ao vivo a banda é uma coisa, já para quem curte álbuns de estúdio, a banda é a própria para isso. 

Eles lançaram um EP em 2008 que fez sucesso criando espaço para que fosse lançado o primeiro álbum. O tal álbum veio no ano de 2010, chamado de “Innerspeaker”, que fez enorme sucesso conquistando Platina na Austrália. O sucesso também ajudou a revitalizar o movimento psicodélico de forma mais clássica, diferente da nova onda de bandas psicodélicas que estavam surgindo. 

O segundo álbum “Lonerism”, fez enorme sucesso fazendo platina. A NME considerou o álbum como um dos 10 melhores da década. O último álbum da banda lançado em 2015, “Currents”, foi direto pro Top 5 nos EUA.

Para finalizar, citarei, não uma banda por completo, mas sim um álbum. O  divisor de águas da carreira dos Beatles, o “Revolver”, lançado em 1966 e que concretizou a era psicodélica da banda considerada por muitos como a maior do mundo. Constituído por uma seleção de 14 canções bem distintas, o disco é circundado por um clima psicodélico que começa nas capas lindas e lúdicas colagens dos integrantes juntos, além de fotos e desenhos que criam uma atmosfera que é apresentada em diversas canções do disco. O trabalho musical de “Revolver”, entretanto não deve ser reduzido a esse ambiente lisérgico proporcionado por diversas faixas. As peças executadas por Paul McCartney nada têm a ver com o estilo das drogas, estas aliás, que o músico se recusou a experimentar. As composições de McCartney neste álbum, refletem questionamentos existenciais próprios e os sentimentos mais profundos em relação às dificuldades que enfrentava.

Dito isso, é basicamente essa a proposta que  as músicas psicodélicas e suas bandas proporcionam, um misto de sentimentos que pode ser interpretado de qualquer maneira, e que, para cada pessoa, tem um significado diferente. Essa é a magia do movimento, é ter sua própria visão escutando cada música criada pelos artistas, estando sob efeito de alucinógenos ou não.

—————————————————————————————–

The article above was edited by Mariana Miranda Pacheco

Liked this type of content? Check Her Campus Casper Libero home page for more!

Marcella Giorgetti

Casper Libero '24

Garota tipicamente urbana, amante das palavras e desbravadora de novas experiências.
Similar Reads👯‍♀️