Her Campus Logo Her Campus Logo

Mesmo que novelas mexicanas sejam conhecidas pelo drama excessivo, La Casa de Las Flores chega de forma equilibrada, com momentos propositalmente caricatos e escrachados, e outros em que a seriedade predomina. A série conquista desde os primeiros segundos, e cativa o espectador a acompanhar a vida da família De La Mora, conhecida por ser tradicional e dona de uma floricultura, mas que acaba se envolvendo em traições e grandes escândalos.

A partir daí a vida da família se torna uma verdadeira corrida ao som de The Benny Hill Show para manter as aparências, um desafio que a matriarca Virgínia e sua filha mais velha, Paulina, tentam cumprir.

Se isso não é suficiente, listamos aqui 5 motivos para assistir essa série maravilhosa:

Retrata temas delicados com um ar irônico e engraçado…

A Casa das Flores carrega um certo humor ácido: as intrigas familiares e até mesmo as traições fazem o espectador dar aquelas gargalhadinhas sádicas. Ao mesmo tempo, você se vê inconscientemente torcendo pelos personagens, por mais errados que eles estejam e por mais reprováveis que sejam suas ações.

… ao mesmo tempo que os aborda com seriedade e complexidade

O primeiro episódio se inicia com o suicídio de Roberta, amante de Ernesto, o que não é spoiler nenhum, já que na verdade é nisso que se baseia o enredo de toda a trama. A forma como seus filhos lidam com a morte da mãe e com o luto, principalmente a pequena Micaela, é no mínimo tocante.

Além disso a alienação parental tem foco o tempo todo na série, especialmente para Bruno, filho adolescente de Paulina, que tem que lidar com os pais separados e ao mesmo tempo com a ausência da mãe que passa a maior parte do tempo tentando reconquistar a confiança de Virgínia.

Nenhuma das personagens é retratada de forma superficial

Até mesmo Carmela, a fofoqueira da vizinhança, apresenta uma profundidade e desenvolvimento de personagem que chega a trazer lágrimas aos olhos. É lindo ver como cada pessoa da família De La Mora e seus agregados vão mudando e se reconstruindo a cada episódio, nenhuma decisão ou ação dos mesmos se dá por si só, é possível identificar as origens em suas personalidades e desvios.

É uma série LGBT+ friendly

Diversidade é uma palavra que define muito bem A Casa das Flores: apesar de algumas vezes reforçar alguns estereótipos negativos, tal como o da bissexualidade associada à promiscuidade, em outros pontos a série acerta. Um exemplo é quando deixa explícita a diferença entre Drag Queens e Transgêneros, e principalmente ao mostrar casais pouco representados, como o amor entre uma mulher transgênero e uma mulher cisgênero.

A série abraça temas muito profundos como a flexibilização da heteronormatividade e mostra que a sexualidade humana pode ser muito mais abrangente do que somos capazes de rotular ou descrever.

Traz o diferencial de ser um drama latino-americano

Muitas vezes, em veículos de streaming como a Netflix, acabamos por consumir um conteúdo majoritariamente estadunidense, e quando damos uma chance às obras latino-americanas podemos ter contato com culturas totalmente diferentes.

Bárbara is a young brazilian journalist that currently lives in São Paulo. She cries when watches Disney animations and Broadway Musicals. Also she's very interested about criminology, politics, photography and investigative journalism.
Similar Reads👯‍♀️