Her Campus Logo Her Campus Logo
Culture > Entertainment

Outlander: o que dizer sobre a primeira parte da 7ª temporada

The opinions expressed in this article are the writer’s own and do not reflect the views of Her Campus.
This article is written by a student writer from the Her Campus at Casper Libero chapter.

A primeira parte da temporada sete de Outlander chegou ao fim no último dia 11 e já está disponível no Star+. Após uma sexta temporada mais curta do que o previsto e, devido à pandemia de covid-19 e à gravidez de Caitríona Balfe, com um final que nos deixou ansiosos, a mais recente leva de episódios amarra pontas soltas e deixa novas questões suspensas.

*Esse texto contém spoilers das temporadas seis e sete de Outlander

A conclusão de plots importantes

Depois de um fim de temporada angustiante e cheio de incertezas, finalmente obtivemos respostas acerca da família Christie e do assassinato de Malva (Jessica Reynolds). Como esperado, é revelado que Claire (Caitríona Balfe) não matou a menina, por quem ela sempre teve muito respeito e carinho, e é Tom Christie (Mark Lewis Jones) quem acaba assumindo o crime (mesmo também não sendo o culpado), por um amor não correspondido a Claire. O verdadeiro assassino é o repugnante, desagradável e detestável Allan (Alex Vlahos), que confessa o crime a Claire, assim como uma série de abusos pelos quais fez a irmã passar por anos, inclusive o estupro que fez com que Malva engravidasse. Inclusive, a morte do próprio Allan depois disso me fez gostar mais ainda do Ian (John Bell). 

Outro plot altamente significativo e que vinha sendo falado desde a temporada quatro também foi enfim concluído: o incêndio na Casa Grande. Wendigo Donner (Brennan Martin) vai atrás de pedras preciosas e, por estar a noite, acende um fósforo, apesar do alerta de Claire devido ao Éter, fazendoa casa pegar fogo. Quando li os livros, essa cena me deixou muito triste, afinal, foi o primeiro lar verdadeiramente de Claire e Jamie (Sam Heughan); mas assistir à casa pegar fogo e ver o olhar de tristeza e arraso dos Frasers, especialmente do Jamie, me destruiu ainda mais. A existência do obituário levado por Brianna (Sophie Skelton) anos antes também é explicado e é Tom Christie quem, numa conversa muito bonita e verdadeira com a Claire, assume que escreveu o documento e mandou publicá-lo.

Brianna, Roger, Jemmy e Mandy

Antes mesmo do início da temporada seis, eu já sabia que esses quatro iriam se separar do resto da família e nem por isso o episódio 2, “The Happiest Place On Earth”, doeu menos. Ver a Claire e o Jamie no parto da Mandy e depois brincando com ela foi muito bonito, emocionante e marcante, principalmente por não terem tido essa oportunidade no nascimento do Jemmy (no livro, eles estavam presentes no parto do primogênito da Bree e desde a temporada quatro, leitores de Outlander, inclusive eu, esperavam essa espécie de redenção). Porém, como é Outlander, a paz é breve e eles precisam voltar ao futuro para salvar a vida da bebê que está doente. Eu estava ansiosa pela cena da despedida nas pedras, principalmente depois daquela conversa “mágica” sobre a Disney entre pai e filha, e ela não decepcionou: meu coração foi quebrado em 1000 pedaços.   

A história dos MacKenzies no futuro (ou presente, a depender do seu ponto de vista) provoca um mix de sensações. Ficamos emocionados e felizes com as cartas, com a compra de Lallybroch (que está cheia de referências ao passado e a Jamie e Claire, um detalhe que eu amei) e com as interações entre Jemmy e Mandy, que serão muito (!) importantes mais para frente na história. Morri de orgulho da Brianna na entrevista de emprego e do Jemmy mantendo viva a memória do avô. Entretanto, não demora para nos inundarmos de preocupação com a presença de Rob Cameron (Chris Fulton), que acabou se mostrando um perigo real, não só para os MacKenzies, mas talvez até mesmo para aqueles no passado. Outra aparição que surpreendeu a família, principalmente Roger, foi Buck MacKenzie (Diarmaid Murtagh), que teve uma participação na 5ª temporada, e acaba virando uma espécie de conselheiro marital em certos momentos e, posteriormente, companheiro de viagem no tempo.  

A volta e surgimento de novos personagens 

William Ransom (Charles Vandervaart), filho mais novo de Jamie, ganhou maior destaque nessa temporada e já é não só um adulto, como também um soldado britânico. Em sua primeira aparição já podemos perceber, assim como a Claire alguns episódios a frente, que ele tem características semelhantes as de Fraser, sendo (ou ao menos tentando) justo e empático. William leva jeito com os cavalos, é bondoso e educado, mas ainda muito inocente no que diz respeito à guerra, acreditando que tudo se resolve com sangue, e a morte do melhor amigo e também de Simon Fraser (Angus Macfadyen) são um choque de realidade (necessário) na vida do rapaz.

O encontro de William com outros personagens também foi bem explorado e permitiu que aprendêssemos mais sobre sua personalidade. A conversa com Brianna, sem nem ter ideia que era sua irmã, o encontro com Ian na floresta e o tempo passado com os Hunter demonstraram sua boa educação, coragem e gentileza, mas também inocência e fragilidade ao matar alguém pela primeira vez. Porém, a cena que mais emocionou foi, sem sombra de dúvida, o encontro entre Willie e Jamie: o mix de emoções no rosto de Fraser ao ver o filho, após quase ter atirado nele, sabendo que aquela poderia ser a última visão que teria de William e o olhar confuso, mas admirado de Ransom vendo Jamie nos lembram da triste realidade que a verdade sobre a relação deles pode nunca vir à tona. 

No mesmo episódio em que vimos William no papel de mensageiro, também somos apresentados a Denzell (Joey Phillips) e Rachel (Izzy Meikle-Small) Hunter, irmãos quacres que foram expulsos de sua comunidade por apoiarem as colônias americanas na Guerra de Independência. Denzell é cirurgião e, diferentemente de outros homens de seu tempo, admira o conhecimento médico de Claire e acaba se tornando um aliado e amigo. Rachel é espirituosa, gentil e esperta e logo desperta o interesse de William e Ian, sendo que o último é quem tem feito o coração dela bater mais forte. Com a volta (medonha) de Arch Bug (Hugh Ross) no último episódio, que encontra a menina com Rollo, resta saber se esse amor vai ter uma chance real de durar.  

Jamie & Claire

Nosso casal favorito teve um começo de temporada perturbado e um pouco caótico, mas, como de costume, as coisas se resolveram e eles se reuniram, nos dando mais uma cena de reencontro e beijo apaixonado. Apesar dos pesares, pudemos ver Jamie e Claire em alguns contextos mais domésticos e até pacíficos durante os oito primeiros episódios: a convivência, mesmo que breve, com os netos, conversas íntimas sobre os mais diversos assuntos (Tom Christie, uma casa nova, William, visões do futuro, o que acontece na guerra…), beijos, abraços e piadinhas em meio a viagens e até mesmo num acampamento militar. Alguns fãs reclamaram nas redes sociais sobre a falta de cenas “íntimas” entre esses personagens, mas são momentos como os citados acima que também demonstram todo o amor, intimidade e cumplicidade entre eles, num casamento de 30 anos em que os dois se conhecem melhor do que ninguém. Como colocado por Maril Davis, produtora executiva da série, em entrevista ao portal Insider: “Nós certamente não estamos ignorando a intimidade. Ela existe, mas também estamos tentando mostrá-la de outras formas às vezes”. 

Outro aspecto que ficou nítido é o quanto esses personagens amadureceram. Claire consegue se abrir mais e ser vulnerável com Jamie (diferentemente da temporada passada, quando usava éter para fugir de problemas), buscando conforto e consolo no marido depois de perder a filha e os netos e também ao encontrar Adso, seu gatinho. É lindo ver como ela pode contar e chorar com ele e como, em troca, Jamie estará sempre lá para recebê-la. A evolução de James Fraser também não passou despercebida: ele concordou que, para salvar sua amada em terreno britânico, o melhor a fazer era deixar Young Ian ir no seu lugar (o Jamie mais novo nunca teria todo aquele controle emocional e paciência!) e, assim como Claire, também reconhece suas vulnerabilidades e conversa sobre isso com ela, que estará de ouvidos e coração aberto. É muito bonito ver como, depois de tantos anos, o amor entre eles só aumenta e se torna mais profundo e como eles continuam “se recebendo” e se entendendo, pois são a casa um do outro.

História americana e um traidor 

Outlander é um romance histórico e, sendo assim, a história não pode ficar de fora. Essa temporada nos mergulhou ainda mais na Guerra de Independência Americana e nos conflitos entre britânicos e americanos. Depois de ficar em meio ao “fogo cruzado” em episódios passados, Jamie agora está estabelecido no lado americano e chega a conclusão de que sua amizade com John Grey (David Berry) não pode mais continuar, o que mostra as consequências da guerra até mesmo pra quem não está no campo de batalha, caso de Grey, que “perde” o amigo. 

Além disso, somos apresentados a Benedict Arnold (Rod Hallett), personagem que existiu na vida real e que, naquele momento, está no lado americano, mas já mostrando insatisfação com sua situação, indicando seu futuro de traidor. A cena em que Claire se dá conta de quem acabara de conhecer é mais um daqueles momentos em que somos lembrados de que ela é uma viajante no tempo e pode saber (e até talvez alterar) o futuro e a história.   

Fidelidade aos livros e nostalgia

Acho que já deu para perceber que, além de muito fã da série de TV, eu também sou apaixonada pelos livros de Outlander, então eu sempre procuro cenas e falas que repliquem na tela aquilo que está nas páginas e, para nossa sorte, essa temporada está muito fiel ao conteúdo original de Diana Gabaldon. “I’m not as brave as I once was” (Ep. 02), “She keeps taking me in, so she must be home” (Ep. 03) e “Bloody man, I knew you’d make me cry” (Ep. 08) são algumas falas exatamente idênticas ao livro e que me deixaram com o coração quentinho ouvindo. Tendo em mente que em uma adaptação para televisão é impossível que o conteúdo seja sempre colocado da mesma forma, posso dizer que o trabalho de adaptação de Ecos do Futuro está excelente até agora; é um livro que, por vezes, contém capítulos longos demais e algumas partes monótonas, mas o texto está sendo bem aproveitado, tirando dele os detalhes necessários para a construção de diferentes histórias sem ficar cansativo e até melhorando alguns personagens, como é o caso do William. 

Inclusive, essa temporada tem recebido críticas por mostrar menos de Jamie e Claire e mais de outros nichos e personagens, mas essa nada mais é do que a história do livro 7. Eles são e continuarão sendo o centro de Outlander, mas a história deles avança com o tempo, novos personagens surgem e é impossível falar sobre eles sem contar também as histórias daqueles que estão à sua volta e os afetam diretamente.

Ainda como uma pessoa que ama os livros e já assistiu à série no mínimo 3 vezes, não pude deixar de notar nos vários paralelos e referências feitas até agora a pessoas e acontecimentos passados. Tivemos menções à (minha amada e nunca esquecida) Faith e ao Murtagh, à viagem no tempo da Claire grávida da Bree e às leis da termodinâmica, entre outras. Tudo isso além de paralelos como Claire operando a mão do Jamie de novo, como fez na temporada 2, Claire gritando e xingando o marido enquanto tenta salvar sua vida no campo de batalha, lembrando o primeiro episódio da série e Brianna analisando e sentando nos degraus de Lallybroch, assim como sua mãe anos antes.  

O que esperar da segunda parte

A segunda parte da temporada vai ao ar no ano que vem, mas ainda sem data  definida. Depois do episódio final, já com a Escócia à vista e um sentimento de “volta para casa”, podemos aguardar a volta de personagens já conhecidos pelo público, como Ian e Jenny Murray e até (a odiada por muitos e amada por poucos) Laoghaire MacKenzie. Por outro lado, Marsali e Fergus são dois personagens que, infelizmente, não voltam nessa temporada, devido a conflitos de agenda dos atores. Para Davis, os próximos oito episódios serão ainda mais intensos: “É ainda mais emoção do que na primeira parte, se é que dá pra acreditar”, disse a produtora em entrevista ao portal “Daily Express US

 O sequestro de Jemmy e a vingança de Arch Bug são alguns dos arcos que podemos esperar que sejam resolvidos já no ano que vem, junto com as consequências da volta ao território escocês. Além disso, seguindo os livros (incluindo o livro 8, Escrito com o Sangue do meu Coração, que também terá alguns de seus plots adaptados já nessa temporada), podemos esperar a aparição de Henry Grey e Jane Pocock, que prometem abalar a vida de Willie e, como já indicado por Caitríona Balfe e relembrado por Maril Davis, a vida de Claire passará por uma reviravolta que os leitores esperam já há algum tempo, mas nem todos estão tão animados. 

 Enquanto esperamos para reencontrar com os Frasers, Slàinte Mhath!   

——————————–

O artigo acima foi editado por Beatriz Testa

Gostou desse tipo de conteúdo? Confira Her Campus Cásper Líbero para mais!

👯‍♀️ Related: 13 Reasons You Should Be Watching ‘Outlander’
Olivia Nogueira

Casper Libero '26

I'm a journalism student who loves to talk about music, books and TV shows. When I'm not writing, you'll probably find me screaming to Taylor Swift lyrics, crying to romance novels or TV series and, if it's a Sunday, watching really fast cars racing each other.