Her Campus Logo Her Campus Logo
News

EM CLIMA DE ELEIÇÃO: O QUE AS MANIFESTAÇÕES POLÍTICAS FEITAS NOS PALCOS DE GRANDES FESTIVAIS REPRESENTAM

Nos dias de hoje, o mundo do entretenimento e da política se entrelaçam, uma vez que há uma demanda por parte do público de que figuras públicas manifestem-se e tenham um posicionamento político claro.

Essas manifestações no mundo atual são bem representativas se comparadas à repressão e censura sofridas por artistas em épocas passadas, como durante a Ditadura Militar. Os meios de comunicação e personalidades têm uma grande influência na formação da opinião pública. Por conta disso, governos autoritários sempre os censuraram.

No período do Golpe Militar de 1964, as manifestações artísticas eram censuradas de forma explícita. Mesmo assim, muitos artistas buscavam um outro modo de se posicionarem sobre a situação em que o país se encontrava.

Cálice, de Chico Buarque, foi censurada pelos militares antes mesmo de ser lançada.

Em uma das músicas que marcaram essa época, Cálice, Chico Buarque faz uso de manifestações subentendidas em sua letra. No verso “Pai, afasta de mim esse cálice”, o cantor faz jogo de palavras com cale-se, referindo-se à censura aplicada pelo governo.

Hoje em dia, diferentes artistas expõem suas opiniões políticas nas mídias sociais, algo que o próprio público espera e deseja que seja feito. Já outros, escolhem fazer isso nos palcos.

No começo deste ano, aconteceram diversas manifestações no festival Lollapalooza. Diante do cenário político e da iminência de uma eleição, os artistas tomaram a frente e expressaram-se politicamente no evento.

Houve uma tentativa de censura por parte do TSE, a pedido do PL, então partido de Jair Bolsonaro, que alegou suposta propaganda eleitoral irregular. Contra a intimação, as advogadas do festival se defenderam, argumentando que não poderiam controlar ou proibir falas de artistas, pois seria um ato de censura. A organização do evento ainda afirmou que as manifestações representavam o exercício regular da liberdade de expressão.

Palco como voz política…

Emicida

Em seu show no Rock In Rio 2022, o cantor posicionou-se politicamente após uma manifestação espontânea da plateia. Em discurso, Emicida falou sobre a tentativa de censura nos palcos: “Tem um pessoal falando que não é de bom tom falar de política no palco do festival. Mas, se eu estou vivo aqui, é porque há 30 anos atrás, o Racionais decidiu ser política na música”.

Marina

Após uma longa espera, este ano a cantora retornou ao Brasil para realizar seu show no Lollapalooza. Em dado momento, Marina sentou-se ao piano para cantar Man’s World, em que critica o desmatamento da natureza. Completou que “Existe um momento para músicas pop e um momento para músicas políticas. F*da-se o Putin, f*da-se o Bolsonaro, estamos cansados dessa energia”, manifestando-se contra os políticos, seus respectivos governos e a censura.

Fresno

Em seu show no Lollapalooza 2022, a banda nacional projetou a frase “Fora, Bolsonaro” nos telões ao som de XX: “o presidente basicamente quer te exterminar, e o ideal fascista já conquistou teu núcleo familiar”.

O texto acima foi editado por Mariana Letizio.

Gostou desse tipo de conteúdo? Confira Her Campus Cásper Líbero para mais.

Beatriz Oliveira

Casper Libero '25

Journalism student at Cásper Líbero, who's also a very passionate reader and writer. I tend to spend most of my days fangirling over Taylor Swift, reading romcoms and talking about politics!
Similar Reads👯‍♀️